O Que é Justificação?

Justificação é uma declaração legal, forense, ante a sala do Trono do céu que uma pessoa é justificada, de que ela é reta diante de Deus. Veja, na cruz, João 19:30, Jesus disse: “Está consumado”. Ele cumpriu tudo para a salvação naquela cruz. diz: “Aquele que não conheceu pecado,” Cristo, que não tinha pecado, Ele não conheceu pecado, “tornou-se pecado por nós”. Obviamente isso não significa que Ele pecou, Ele não conheceu pecado, mas Ele se tornou uma oferta pelo pecado por nós. Ele foi sacrificado como um substituto para todos aqueles que se arrependem e confiam Nele. “Para que nos tornássemos a justiça de Deus…”

Isto é o que os teólogos chamam de “grande troca”. Veja, duas imputações, duas transações ocorreram naquela cruz. Primeira, o pecado dos crentes, a culpa do pecado dos crentes, o registro criminal do crente, é transferido, é imputado a Jesus Cristo. Veja, suponha que eu tenha uma dívida, de 10.000 libras ou 10.000 dólares. E eu vou para outra pessoa ou outra pessoa vai para o meu credor e diz: “Transfira a dívida de Kevin para minha conta.” “Impute ela a mim.” Agora, era a minha dívida, que era minha penalidade, era minha responsabilidade pagá-la. A partir do momento que a transferência ocorre e minha dívida é transferida para a outra pessoa, então não é mais a minha responsabilidade pagá-la. É agora, plenamente, sua responsabilidade de pagá-la. Veja, isso é o que acontece naquela cruz. O meu pecado, o pecado de todos aqueles que acreditam em Jesus Cristo, que se renderão a Ele, aqueles ou aquelas que foram salvos, seu pecado é transferido, é imputado a Jesus Cristo. Assim, Ele pagou naquela cruz. Essa é a única forma que alguém pode ser perdoado, mas Cristo não somente toma todas as nossas dívidas, mas também a justiça de Jesus Cristo é dada ao crente. Veja, Jesus Cristo viveu a vida perfeita, Ele nunca mentiu, Ele nunca roubou, Ele sempre fez o que é agradável ao Pai. O que acontece quando alguém realmente crê, quando alguém se arrepende e confia em Jesus Cristo para salvá-lo? Não apenas o seu pecado se foi, mas a justiça de Jesus Cristo, a vida perfeita de Jesus Cristo, é creditada ao crente. Veja, agora Deus olha para mim como se eu sempre fizesse as coisas que agradam a Deus porque Ele não está olhando para mim com as lentes do meu eu, mas através das lentes do que Cristo fez.

Há um excelente livro que eu recomendo muito de Charles Leiter chamado “Justificação e Regeneração” (Justification & Regeneration). Ele explica essas verdades essenciais, maravilhosas, que estão lá numa linguagem fácil de entender. Lá, ele dá esta analogia. Ele diz: “três estudantes universitários de física começam um curso de física. No primeiro dia do curso de física, o professor diz para o primeiro estudante que chega para o curso de dois anos Ele diz para ele: “Você ganhou um A.” Ele diz: “Eu ganhei um A? Eu nem cheguei a fazer algum trabalho ainda, como posso ter um A? ” Ele diz: “Você ganhou um A.” Esse cara diz: “Sim! Sim! Eu ganhei um A! Você quer dizer que podemos apenas estudar essas coisas para se divertir agora? ” Agora esta é a verdade para todo crente verdadeiro. A partir do momento que eles se voltam do pecado e do ego e confiam, depositam a fé simples de uma criança, em Jesus Cristo para salvá-los. Todos os seus pecados se vão, suas próprias notas, a miséria do seu próprio pecado é apagada porque Cristo pagou por tudo e as notas de Jesus Cristo, da vida perfeita de Jesus Cristo, são creditadas ao crente.

Agora, o segundo aluno chega no primeiro dia do curso de dois anos de física, e o professor diz para ele: “Você ganhou um A.” Esse cara diz: “Não, eu não aceito isso, eu quero ganhar minha próprio nota.” Agora temos o Sr. Legalista, que é como o Sr. Católico, que é como o Sr. Muçulmano, que é como um monte de cristãos professos que não estão confiando na obra completa de Jesus Cristo. A realidade é que nossas próprias notas nunca serão boas o suficiente. Nossas próprias notas somente nos levarão para o inferno, mas o A é uma oferta.

Agora, o terceiro estudante chega no primeiro dia da curso de dois anos e o professor diz para ele: “Você ganhou A.” Esse cara diz: “Eu ganhei um A? Ah, maravilhoso! ” Ele sai pela porta, joga seus livros de física direto no lixo. Agora temos o falso convertido, aquele que não acredita realmente no que ele diz que acredita.

Ele nunca realmente visto a Cristo, mas ouça, a questão desta analogia é que a partir do momento em que alguém realmente confiar em Cristo, ele é justificado diante do Trono de Deus para sempre por causa do que Cristo fez. Veja, tudo é Dele, a salvação é toda Dele ou você vai perecer. Romanos capítulo 4 versículo 2, Paulo está falando, nos dá um exemplo de como Abraão foi justificado como Abraão tornou-se justo de Deus, para nos mostrar como todas as pessoas tornam-se justas diante de Deus, como todas as pessoas tornam-se justificadas diante de Deus. Veja, Cristo fez tudo sobre aquela cruz, mas como isso é transferido para o crente? Como a nota A perfeita é transferida para o crente? A resposta é pela fé, mas muita gente precisa ter bastante cuidado. Eles dizem: “Sim, eu acredito que Jesus fez tudo na cruz” e depois dizem, “eu acredito que é pela fé que isso foi transferido para nós” Simplificando, o que eles entendem por fé são obras. Agora, Tiago diz: “a fé sem obras é morta” (Tiago 2:26). É verdade que a fé verdadeira irá produzir boas obras. A verdadeira salvadora a fé, a fé real, sempre produz boas obras. “Fé operando pelo amor” (Gálatas 5:6) Porque o que fazemos revela em que nós realmente acreditamos. Todo o resto é só vão discurso religioso. Mas veja, a fé, embora a verdadeira fé salvadora produza boas obras, a fé é na verdade o oposto das obras.

O completo oposto, é como abandonar toda a confiança em nossas próprias obras. Hebreus diz que o fundamento da fé salvadora é “arrependimento de obras mortas” (Hebreus 6:1). Devemos nos arrepender de toda a confiança em si mesmos e perceber que Cristo já fez tudo. Crer Nele. Em Romanos 4:2, Paulo argumenta: “Porque, se Abraão foi justificado pelas obras, tem de que se gloriar, mas não diante de Deus.” Se fossem as obras de Abraão, se fosse por fazer alguma coisa, tomar boas decisões sempre, chegando até um certo nível, ele teria algo para se vangloriar. Ele estaria basicamente ganhando sua salvação em algum sentido, mas não diante de Deus. Ele não tem nada para se vangloriar e ele prova isso em Romanos 4:3, “Pois que diz a Escritura? “Abraão creu em Deus, e isso lhe foi creditado (foi contabilizada a ele) como justiça.” Assim, a partir daquele momento, Abraão pela primeira vez creu em Deus, Ele creu na Palavra de Deus, que sabemos que é Jesus Cristo, como nós cremos em Cristo. A partir do momento que alguém acredita em Cristo para de confiar em si e percebe que Cristo já fez toda a obra. Isso é creditado a essa pessoa como justiça, eles se tornam justos diante do Trono de Deus no céu. Versículo 4: “Ora, ao que trabalha, o salário não é creditado como um favor, mas como o que é devido.” (Romanos 4:4) Veja, se as pessoas fizessem alguma coisa para ganhar o favor de Deus, então não seria de graça.

Não seria dom da salvação. Veja, você não pode ganhar o seu caminho para Deus. Você deve deixar de confiar em si mesmo. Não há nada que você possa fazer para tornar-se aceitável para Ele. Se você está pensando algo como: “Você sabe, eu tenho todos esses pecados, mas espero que minhas boas ações superem minhas más ações”. Isso é como tentar subornar um juiz. Dizendo: “Ei juiz, pegue este envelope marrom, cheio de boas obras, e ignore aquelas obras más.” Somente um juiz corrupto aceita subornos. Deus não vai aceitar subornos, mas o homem está tentando fazer de Deus o devedor. O homem se recusa a confiar no que Cristo fez, porque ele quer sentir que Deus lhe deve alguma coisa, mas Deus não nos deve nada, exceto o inferno, porque “todos pecaram e carecem da glória de Deus” (Romanos 3:23).

“Não há um justo, nem um sequer” (Romanos 3:10). Se você imaginar sua vida passando na TV hoje à noite e as pessoas podendo ver seus pensamentos, apenas seus pensamentos do mês passado até hoje. Quão confortável você ficaria? Com seus filhos, sua mãe, seus pais, amigos, colegas de trabalho vendo seus pensamentos? Bem, seus pensamentos revelam seu coração. Meu ponto é este… Ninguém pode ser bom o suficiente para estar diante de Deus. Você tem que ser perfeito, mas Cristo já fez tudo. Ele vai tirar olhos seus de você mesmo e direcionar seu olhar para Ele que pagou por cada pensamento perverso, por cada ato perverso, por cada palavra perversa. e Se você se levantar e segui-lo, confiando não na sua capacidade de segui-lo, mas confiando no que Ele fez, Ele vai te salvar. “Mas, àquele que não pratica, mas crê naquele que justifica o ímpio, a sua fé lhe é imputada como justiça.” (Romanos 4:5)

Observe que aquele que não trabalha, aquele que abandona a confiança em si mesmo e simplesmente acredita Nele, acredita em Deus, que justifica o ímpio. Crê em Cristo. Observe aqui, não diz a quem chegar a um certo padrão, aquele que limpa a sua vida, aquele que se tornou religioso e atinge um ponto onde ele é aceitável a Deus porque não somos convidados a vir a Cristo à partir deste ponto. Ele diz: “Mas, àquele que não pratica, MAS CRÊ NAQUELE QUE JUSTIFICA o ímpio” (Romanos 4:5). Observe, Deus justifica, Ele faz justo, diante do Trono de Deus no céu, os pecadores ímpios. Isaías diz: “…sim, vinde, comprai, sem dinheiro e sem preço, vinho e leite.” (Isaías 55:1) Você deve abaixar o preço pois você não tem nada para oferecer a Deus. Você que não tem dinheiro, você que não tem nada a oferecer a Deus, você deve perceber isso, que você não tem NADA a oferecer a Deus. Pare de tentar negociar com ele, “eu vou chegar a um certo nível, então talvez o Senhor vai me aceitar”, mas perceba que você não tem nada para negociar. Você nunca será aceitável para Ele e suficiente por si mesmo, apenas renda-se à obra completa de Cristo. Confie nEle e no que Ele fez. Ele justifica o ímpio. As pessoas enquanto elas ainda estão em pecado. Essa é a única maneira que você está convidado a vir a Ele. Charles Spurgeon deu esta analogia, ele disse: “Havia um pintor que estava pintando um quadro da cidade onde ele vivia. Havia um varredor de rua notório lá, que o pintor queria na sua pintura. Então ele disse a este homem: “Venha ao meu estúdio amanhã e eu te pagarei para pintar você. Vou ter você em minha pintura, porque eu quero um varredor de rua nela.” Então o cara foi para casa, tomou banho, lavou e penteou seus cabelos, colocou o seu melhor terno. Foi para o estúdio de arte e foi conduzido até a saída, porque ele não foi convidado nessa qualidade, foi convidado como um varredor de rua sujo. Você não está convidado para a vida eterna em Cristo como uma pessoa justa, você está convidado a vir com ele para a salvação agora, neste momento, em todos os teus pecados como um pecador imundo, miserável. Essa é a única forma em que Ele vai aceitá-lo. Se você vem a Ele não por seus próprios méritos, mas pelo sangue, por confiar no que Ele fez sobre aquela cruz. Olhe para esta bela verdade aqui, do que Cristo fez. “Assim também Davi declara bem-aventurado o homem a quem Deus imputa a justiça sem as obras” (Romanos 4:6)

Deus dá ao crente a justiça sem as obras. Ele tira o pecado, não se lembra mais dos seus pecados, porque Ele pagou por todos eles, e Ele dá a essa pessoa a justiça de Jesus Cristo. Ele paga o pecado dos crentes; do passado, do presente e do futuro. Então, novamente, o crente tem a nota A perfeita, à vista de Deus a partir do momento em que eles crêem. A nota não muda. “Bem-aventurados aqueles cujas iniqüidades foram perdoadas” (Romanos 4:7). “Feliz é o homem cujo pecado o Senhor não terá em conta” (Romanos 4:8). Perceba isso, o Senhor não leva em conta o pecado do crente. Ele não os leva em conta contra eles. Agora, há uma sensação muito real, é claro, que como um Pai amoroso Ele castiga o filho a quem Ele se agrada. Quando o crente peca, Deus vem e castiga essa pessoa, mas cada açoite que é dado nas costas do crente, é data por uma mão amorosa. Ele nos traz sob condenação para nos corrigir. A partir do momento em que alguém crê, Deus nunca vem ao crente como um juiz punitivo novamente. A ira está completamente satisfeita sobre aquela cruz. Ele nem sequer leva em conta os pecados do crente contra Ele, porque Ele pagou por eles.

Veja, para explicar esta verdade: “Feliz é o homem cujo pecado o Senhor não terá em conta” (Romanos 4:8) Deus não imputa os pecados dos crentes contra eles. Vou usar outra analogia do excelente livro de Charles Leiter, que eu realmente recomendo, “Justificação e Regeneração”. Ele dá uma analogia onde um homem se levanta atrasado para o trabalho, ele faz tudo correndo, queima as torradas, e ele diz algo de forma negligente para sua esposa. Mas a princípio, ele nem sequer percebe que ele disse isso. Ele sai pela porta, ele é rude com ela. Começa a trabalhar sentado lá em sua mesa, e o Espírito começa a convencê-lo do pecado. Agora, este é um homem cristão, ele começa a pensar: “Eu fui negligente com a minha mulher lá?” E ele chega ao ponto onde ele não pode aguentar isso mais. Então, ele liga para sua esposa e diz: “Amor, eu sinto muito.” Ele ora a Deus e diz: “Deus, eu sinto muito.” Agora, o que teria de acontecer aquele homem cristão se ele tivesse morrido antes do tempo em que ele se arrependeu? Será que ele teria ido para o céu teria ido para o inferno? A resposta é: ele teria ido para o céu, porque ele é um homem cristão. “Feliz é o homem cujo pecado o Senhor não terá em conta” (Romanos 4:8). Por que o Senhor não leva em conta os pecados dos crentes? Porque ele pagou por eles. Eles foram pagos na íntegra por Jesus Cristo na Cruz, há dois mil anos. Agora, a mesma analogia, mas um pouco distorcida.

O homem cristão se levanta atrasado para o trabalho, ele faz tudo correndo, queima as torradas. Ele fala negligentemente com sua esposa, ele é um pouco rude com ela, mas desta vez, ele sabe muito bem o que fez, mas está sendo teimoso. Ele sabe que foi rude com sua esposa, sabe que foi negligente, mas está sendo teimoso e se recusa a se arrepender. Ele sai pela porta, começa a trabalhar, mas eventualmente, o Espírito começa a convencê-lo do pecado. Ele não consegue aguentar mais, ele está quebrantado, ele liga para sua esposa, “Oh, Amor, me perdoe, por favor”. Ele ora a Deus: “Por favor, me perdoe”. Agora, desta vez, ele sabia muito bem o que estava fazendo lá. Então, se ele tivesse morrido antes que se arrependesse, ele teria ido para o céu ou para o inferno? A resposta é que ele teria ido para o céu, porque “feliz é o homem cujo pecado o Senhor não terá em conta” (Romanos 4:8). Por quê? Porque que o pecado foi pago na cruz.

Veja, acredite, você deve deixar esta mentalidade católica romana onde você entra e sai, dentro e fora da graça de Cristo. Como uma garotinha arrancando pétalas de uma flor: “Ele me ama? Ele não me ama? Ele me ama? Ele não me ama? ” Quando alguém está indo muito bem pensa: “Sim, Cristo me ama. Cristo está feliz comigo agora.” Então, ele está indo mal e pensa: “Ele não me ama agora.” ISSO É ORGULHO! Isso é ter orgulho do desempenho de alguém. A única maneira de sermos aceitos está na nota de Jesus Cristo. Nós nunca poderemos melhorar aquela nota. Nós nunca poderemos diminuir aquela nota, porque é toda Dele. Veja, isso não significa que o crente possa então pensar: “Bem, se esse for o caso, então eu vou sair por aí e aproveitar o pecado”.

Longe disso, o falso convertido pensa assim. Aquele que não mudou, mas o verdadeiro convertido, isso o motiva a querer viver para Cristo, mas Cristo justifica o ímpio. A única maneira de você estar diante Dele é se render ao que ele fez naquela cruz, entregar-se a ele. A Bíblia diz que agora é o “tempo aceitável” (2 Coríntios 6:2). Quando Ele pode aceitá-lo, quando Ele aceitará você. Um dia será tarde demais. Se você ouve a Sua voz, não endureça seu coração, mas venha a Ele neste dia. Entregue a sua vida a Ele, veja que Ele fez tudo na Cruz.

Na parábola das bodas (Mateus 22:1-14), Jesus contou uma parábola de um grande Rei que tinha preparado um banquete e disse: “Saia e convide todos para o banquete, porque o banquete está pronto, a salvação está pronta em Cristo”. Ele fez tudo o que você precisa fazer para chegar ao céu. Então simplesmente venha, creia nele, como a fé de uma criança nEle. Então volte-se do eu e do pecado, venha a Ele e você será salvo, mas nos é dito naquela parábola que havia um homem nesta festa, que professava ser um cristão mas não estava usando um traje de casamento e o texto diz: “Então disse o rei aos servos: ‘Amarrai-o de pés e mãos e lançai-o nas trevas exteriores; naquele lugar haverá choro e ranger de dentes. ” (Mateus 22:13). Agora, para explicar esta parábola: veja, naqueles dias, o rei dava as roupas para as pessoas usarem no casamento. Assim também Cristo deu as vestes de Sua justiça perfeita. Essa é a única justiça, este é o único traje que podemos usar diante de Deus. Naqueles dias, não colocar a roupa de casamento fornecida pelo rei era mostrar desprezo a ele. Muitas pessoas estão a tentar vestir-se a si mesmas. Eles ainda pensam que podem limpar-se, confiar em si mesmos, colocando um remendo aqui e outro ali, tentando lavar-se. Ouça, você deve colocar a roupa do casamento de Jesus Cristo. Você deve perder a esperança de tentar vestir-se sozinho e de tentar limpar a si mesmo e apenas confiar em Jesus Cristo. Olhe para Ele e vida, você não tem que fazer mais nada a não ser olhar para Cristo sobre a Cruz. Veja o seu nome escrito em Suas Mãos. Veja aquelas feridas perfuradas por seus pecados. Ele vai te abraçar neste dia, mas você deve se afastar do eu, você deve voltar-se para ele. Confie Nele.

Mais uma analogia de Charles Leiter, em Justificação e Regeneração. Veja, às vezes as pessoas tentam transformar a fé em uma obra. “Se eu tivesse fé o suficiente, se eu apenas acreditasse um pouco mais, se eu apenas pudesse arrepender-me um pouco mais.” Mas me ouça atentamente agora, é no que você tem fé que é importante. É ter fé em Cristo. Charles Leiter, em Justificação e Regeneração, ele usa esta analogia. Há duas pontes atravessando o Grand Canyon. Agora, se a primeira ponte é uma corda bamba e, onde quer que você coloque o pé na ponte, ela está podre e o pé a perfura. Agora, não importa o quanto você tenha fé naquela ponte para ela segurar você. Você pode ranger os dentes, você pode apertar seu punho, você pode apertar seus olhos e dizer: “Acredito que esta ponte vai me segurar!” No momento em que você colocar o seu pé sobre aquela ponte, ela vai se despedaçar e você vai cair. Não porque a sua fé nela é fraca e podre, mas porque a ponte é fraca e podre.

Agora, se a segunda ponte, é como uma daquelas bem-feitas, de concreto, com estruturas de ferro, então quanta fé você precisa para que a ponte te segurar? Tudo que você precisa é fé suficiente para pisar naquela ponte, porque no momento em que você colocar o seu pé sobre a ponte, ela vai segurar você, não porque a sua fé nela é forte, mas porque a ponte é forte. Tudo que você precisa é de uma fé como um grão de mostarda. Apenas coloque sua fé em Cristo, confie Nele. Considere Sua Palavra, Ele não pode mentir. “É impossível que Deus minta” (Hebreus 6:18).

Ele diz: “aquele que vem a mim de maneira nenhuma o lançarei fora.” (João 6:37) Se você realmente quer Ele neste dia, então considere Sua Palavra. “Se alguém tem sede, venha a mim e beba.” (João 7:37). Se você está cansado de beber das águas rotas do pecado desta vida e do eu. Venha a Cristo e beba, Ele promete a você águas vivas. A verdadeira satisfação, a vida verdadeira em conhecê-lo. Ele não diz para você vir a Ele se você não quer vir a ele. Ele te convida a vir a Ele. Então venha para Ele hoje.